OS VETIM DO BOM JARDIM DECLARAM APOIO A DEMOCRACIA

Ontem à noite, depois do baile funk do Bom Jardim, os PVT BJ declararam apoio a democracia do Brasil. Segundo o Rato, chefe do grupo: " nois vamus lutar até o fim pela cumadi Dilma. É sal pvt. O x9 Aécio fica disconsiderando o nego aí, mah" Após a declaração oficial, houve uma passeata pela democracia e pela paz. Houve também um baile reggae com DJ Cleiton Rasta. Coros foram ecoados durante o baile “ Não vai ter golpe”.


Reações: 

CEARENSES CRIAM APLICATIVO QUE DESCARREGA ABNT E REVISÃO

Uma equipe de pesquisadores em revisão textual criou um aplicativo que descarrega por meio do efeito fotoelétrico quântico com transvestimento burlescos as normas da ABNT em trabalhos acadêmicos. O app supre uma necessidade básica de quem termina seu texto acadêmico e não sabe o que fazer. A técnica foi testada com os procedimentos modernos de análise de referenciação textual. O usuário baixa o aplicativo e aponta o seu smarthphone em direção ao texto e fala algumas palavras mágicas. Em seguida, o trabalho se constrói automaticamente conforme as normas da ABNT. Às vezes, o procedimento precisa de uma descarga forte. Por isso, o app conta com uma equipe de pais de Santo Textual que quando necessário invoca alguns orixás da linguística e descomplica tudo. Parece magia.


Idealizadores: Liziane e Gustavo

O primeiro beneficiado com a ferramenta foi Elvis Freire. “Quando terminei minha dissertação, eu não sabia o que fazer com aquelas palavras soltas. Tinha citações da wikipedia. Tinha até recuo de 3 metros. Mas quando procurei o app Revisaê, fui abençoado por 3 orixás ( Saussure, Benveniste e Marcuschi). Agora o trabalho está perfeito. A banca vai amar. Tenho certeza!”

O app Revisaê descarrega ABNT e revisão textual em todo tipo de trabalho acadêmico, como: TCC, mamografia, monografia, artigo, dissertação, tese etc. 

A desenvolvedora-mor diferentona Liziane Karine afirma categoricamente “ Estou muito satisfeito com essa ferramenta. Tenho certeza que vai ajudar muita gente carente de revisão textual e ABNT”.

O app é free e está disponível para android e IOS.

Mais informações aqui

SERVIÇO:

Revisão textual, Design Gráfico e Tradução.
WhatsApp: 9 8610 6920 / 9 9937 2424
E-mail: revisaew@gmail.com

Reações: 

BANQUINHA DO RUI É REMOVIDA DO BOSQUE MOREIRA CAMPOS

Olá Folheiros, há quanto tempo não escrevo por aqui. O que me traz para este espaço é o fato de um dos símbolos do bosque ter sido removido. A banquinha do Rui não faz mais parte do convívio social do CH1. Dificilmente ouviremos o Rui com seu dialeto Já elvis, na glória, 30 relengos etc... Isso mesmo meus amigos. A nova geração do curso de letras não fará mais o famoso estágio supervisionado. Sabe aquela hora do aperto: Rui me empresta um T? Rui me empresta uma faca? Rui me empresta um carregador? Então, não teremos mais esta mão amiga.

O espaço de bate-papo com colegas e professores no intervalo das aulas depois de um cafezinho no Rui se desmanchou como vapor. O que me dói mais é passar pelo bosque e ver um vazio do tamanho da universidade naquele espaço. A velha burocracia passou por cima de um elemento cultural importante do bosque Moreira Campos. O patrimônio vivo da Letras vai embora sem despedir. 

Que lamentável.

Ps: Uma vez ouvi de um professor a seguinte frase "No dia que o Rui sair daqui os professores cruzarão os braços". A profecia se cumpriu!



Fez parte da minha graduação de 2010 a 2014. :/

Reações: 

Bolsistas universitários deflagram greve



O sindicato dos bolsistas (SINDIBOL) das universidades cearense cruzou os braços, nesta quarta-feira, 11/06. A medida tem como objetivo a reivindicação do aumento da bolsa de R$ 400,00 para R$ 500,00. Além disso, os bolsista buscam maior apoio em atividades acadêmicas. A categoria ainda briga pela redução da jornada de trabalho de 12h para 10 horas. 

Nesta sexta 13/06, haverá uma reunião dos representantes com o MEC.


Reações: 

PACCE: QUEM SOMOS NÓS?



Você já parou para pensar se fazemos realmente parte do Programa* ou se ele faz parte de nós?












Às vezes, ignoramos tal questionamento ou não temos certezas sobre este.


O primeiro fator importante que podemos notar é a desmotivação dos bolsistas para cumprir suas atividades. Já o segundo fator vem dos bolsistas que têm objetivos opostos do Programa.

Vários fatores nos levam a pensar desse modo, pois temos várias obrigações acadêmicas e sempre deixamos as atividades do Programa como subjacentes. Vivemos em um cotidiano corrido que não nos permite parar para refletir. Levamos, então, uma vida sem questionamentos. Focamos apenas nos nossos objetivos do curso, como por exemplo: estudar para uma prova difícil de cálculo, entregar um artigo de Funcionalismo ou se preparar para um seminário de Biologia Aquática.


Imaginemos agora uma legião de soldados romanos conquistando vastos territórios para o Império Romano. Eles lutavam juntos, mas agiam por suas necessidades pessoais (salários e terras). Eles estavam preocupados apenas nas armas, nas estratégias de lutas, na formação militar, enfim, na sua sobrevivência. Raros eram os soldados que entendiam o significado daquela marcha.

Agora, já pensou se cada um dos soldados soubesse o significado da conquista?
O exemplo acima ilustra bem como agimos dentro Programa, pois os bolsistas trabalham juntos, porém muitos só pensam nas benditas 12 horas semanais que devem cumprir. Isto se chama responsabilidade individual. Todavia, esta responsabilidade acentuada acarretou numa cultura de “vale horas?”. Como disse outrora o Breno Matias (Engenharia Metalúrgica) “as pessoas pensam que recebemos para trabalhar, mas na verdade trabalhamos para receber”. Isso nos leva a pensar que as horas cumpridas são as consequências de nossos trabalhos. Em contrapartida, muitos bolsistas pensam que as horas são as causas principais do trabalho.

Assim sendo, as conseqüências são desastrosas, pois promove a interação forçada que vai de oposto aos preceitos da metodologia norte-americana da Aprendizagem Cooperativa. Porquanto, a interação face-face é o que gera o aprendizado. Se não há interação, não há aprendizado mútuo.

Será que nossas ações afetam o Programa?
Em 1998, a seleção brasileira perdeu para França na final da copa do mundo por 3 a 0. O que aconteceu? O Brasil vinha embalado para conquistar seu quinto campeonato com um técnico exímio, Zagalo, e um elenco fenomenal. Porém, antes da final, o melhor jogador brasileiro, Ronaldo, teve convulsão horas antes do jogo. O motivo não se sabe, ou se foi uma crise nervosa, ou uma reação a um medicamento. O fato é que abalou todo o time e a comissão técnica que prejudicou o desempenho da equipe na partida final.

Ora, se pensarmos que somos peças fundamentais e que afetamos toda uma estrutura, então qualquer ação nossa pode interferir no desempenho dos nossos colegas. Um comentário como este na fila do RU “na COFAC é moleza, não faço nada e ganho todo mês” demonstra o lado negro da autonomia intelectual. Essa falsa montagem de célula evidencia a má-fé do bolsista. Outrora, disse a Samara Mayra (Pedagogia) “esse tipo de bolsista não está enganando o Programa. Ele está enganando a si mesmo”.

No início do ano, João Paulo Góis (Agronomia) veio me pedir ajuda, pois ele estava com dificuldades de montar sua célula. Eu relatei para ele toda a minha experiência na montagem de célula. Atualmente, ele comentou comigo que foi sucesso sua célula, pois aquela palavra de motivação foi o suficiente para superar as dificuldades em manter sua célula viva e não desistir diante dos desafios.

Agora vem a tona a pergunta:
O Programa faz parte de nós?

É inquestionável que nós fazemos parte do Programa, pois o fazemos na prática. Estamos em treinamento contínuo. Porém, não damos significados a essas práticas e treinos. Não conseguimos visualizar a formação como palco de aprendizado, a atividade interativa com parte formação discente, a leitura de memorial como valorização do bolsista, o envio de relatório como fonte de auto-avaliação etc.

Eu, Gustavo Ewerson (Letras), nunca fui para a folha suplementar. Sempre enviei meus relatórios em dia. Nunca fiz reposição. Mas tudo isso não bastava para ter ciência do que tava fazendo. Confesso que eu tive a lucidez do que tava fazendo no segundo semestre de 2011. Após a Colônia de Férias, vi que meu trabalho tinha um significado maior. O que seria isso? Um despertar? Sim, um despertar que me descobri professor.

O Programa de Aprendizagem Cooperativa em Células Estudantis (PACCE) tem um potencial enorme de mudar concepções de pessoas. Neste ano, a Colônia de Férias transformou a vida de vários universitários. Não sabemos ao certo como despertá-los. Talvez uma pequena brecha de luz seja o suficiente para iluminar a vida de uma pessoa. A única certeza que temos é que fazemos parte de algo gigantesco e este faz parte de nós, mesmo que nós não percebamos.

É preciso libertar-se dos grilhões que nos prendem a rotina universitária para atuarmos no Programa como peça fundamental. Neste Programa, tão grande que é, os únicos capazes de resolver os problemas dele somos nós.

Como disse Herman Melville “Não podemos viver apenas para nós mesmos. Mil fibras nos conectam com outras pessoas; e por essas fibras nossas ações vão como causas e voltam pra nós como efeitos”.

Afinal, quem somos nós?


Programa de Aprendizagem Cooperativa em Células Estudantis (PACCE) 

Reações: 

II Simpósio de Tradução Literária da UFC

DIAS 17 E 18 DE MAIO, NO AUDITÓRIO JOSÉ ALBANO, 
VAI ACONTECER O II SIMPÓSIO DE TRADUÇÃO LITERÁRIA DA UFC!


Informações e inscrições em www.simposiotraducaoufc.blogspot.com.br. São 100 vagas! Confira abaixo a programação:


Reações: 

AMIZADE...


Amizade é tipo isso... Quando você pensa que tá só, aparece um(a) amigo(a) e pega na sua mão para te lembrar que mais vale se divertir junto do que só!!!

Reações: